MOMENTO FERNANDO PESSOA


Minha alma sabe-me a antiga

Mas sou de minha lembrança,

Como um eco, uma cantiga.

Bem sei que isto não é nada,

Mas quem dera a alma que seja

O que isto é, como uma estrada.


Talvez eu fosse feliz

Se houvesse em mim o perdão

Do que isto quase que diz.


Porque o esforço é vil e vão,

A verdade, quem a quis?

Escuta só meu coração.




Não sou nada.

Nunca serei nada.

Não posso querer ser nada.

À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.